FLIM 2018 | TÁ aFLIM


A programação do Tá Aflim? deste ano apresenta intervenções que trazem a literatura em múltiplas performances e linguagens, itinerâncias, ferias, além de um show marcado pela variedade de gênero musical, regional e afetiva.

SEXTA 14 DE SETEMBRO


ABRACE A LITERATURA E ENTRE NOS “INTERIORES” DA #FLIM2018
Com Alunos da Faculdade da Terceira Idade  da UNIVAP
14/09 | 18h | PORTARIA PRINCIPAL

Abraçar é a forma mais simples de propagar o amor e conquistar a felicidade. As sensações dos abraços recebidos na infância são mantidas em nossas vidas para sempre, isso significa que literariamente falando, no silêncio que acompanha um abraço, muitas coisas são ditas através dele nesta forma simbólica, de se propagar amor aos que nos rodeiam, aquecendo a alma de quem recebe. 

A 5ª edição da #Flim2018 te recebe de “abraços abertos” através de participantes muito especiais pra gente nessa ação, pedindo e dando um “ABRAÇO” na LITERATURA e te convidando para ENTRAR NOS “INTERIORES” DA #FLIM2018.




SEU MALAQUIAS E SUA VERSARIA
Com Ari Pereira
14/09 | 18h | INTERVENÇÃO ITINERANTE
Circulação FCCR 

Um tocador de rabeca que espalha versos e melodias por onde passa e tem como base os cantadores e tocadores de feiras, a literatura de cordel, os versos e rimas populares.


PROJEÇÃO SANJAWAVE
Com Coletivo Peculiaro
14/09 | 18h | LATERAL DO PAVILHÃO CENTRAL

Projeção de animações digitais, onde paisagens de São José dos Campos são representadas em uma estética retrofuturista, mostrando a face urbana, tecnológica, industrial e aeroespacial da cidade, e que também são paisagens do nosso interior. Peculiar é um duo formado em 2017 pelos irmãos Gabriel Barbosa e Lucas Barbosa com o objetivo de trazer arte para o espaço urbano de São José dos Campos através de intervenções como lambe-lambes, stickers e projeções.


SÁBADO 15 DE SETEMBRO

DANÇA TRÊS
Show musical com Maria Ó

15/09 | 16h | PALCO TÁ AFLIM? 

Sob o convidativo título Dança Três, a cantora e compositora Maria Ó lançou em 2017 seu disco de estreia. Driblando dualismos normativos o álbum transita por entre fronteiras e gêneros, sejam eles musicais, regionais, sexuais ou afetivos. 

À frente da voz, violão e guitarra, Maria Ó é acompanhada no show por Ariel Coelho na percussão, Guilherme Kafé na guitarra, Igor Caracas na bateria e Klaus Sena no baixo. Este show para a #Flim2018, além de canções inéditas, terá participação especial da cantora e compositora de São Luis do Maranhão, Nathália Ferro, que é parceira de vida de Maria Ó e juntas desenvolvem um trabalho de canções próprias chamado “Mana”.

Natural de São Paulo, Maria Ó iniciou sua carreira no interior indo posteriormente para a capital do estado e hoje reside novamente em São José dos Campos. Com interpretação despojada e flertando com a fala, a cantora paulista nos apresenta o resultado de um longo processo de empoderamento artístico que reúne composições que datam de 2008 a 2016, tempo em que ela retornou à cidade natal, São Paulo. Com letras poéticas e críticas de um cotidiano por vezes duro, mas que no auge de seu realismo revela em si o fantástico. Contando com a produção musical dos cearenses Igor Caracas e Klaus Sena, além da coprodução de Guilherme Kafé, “dança três” registra também o encontro entre regiões. No disco, a diversidade de pulsos e ritmos convida o corpo à dança ao passo que versos marcantes nos levam a um universo poético singular. De uma São Paulo cosmopolita, surge uma compositora madura que carrega consigo muitos afetos e brasis. Foto por: Andre Seiti . 

DANÇAM AS PALAVRAS, POR NEXDT E POETA MORAES
Com o Núcleo Experimental de Dança Teatro de São José dos Campos

15/09 | 16h | ENTRELINHAS , ATRIUM- PAVILHÃO SÃO JOSÉ

Palavras perfumosas, ácidas, líricas, poéticas, sinceras, falsas, diretas, em parábolas, em rimas, e que nos sugerem também diversas qualidades do mover do corpo poético, que reelabora na carne e no movimento os sentimentos e emoções, linguagem e cultura. A intervenção consiste em experimentar criar maneiras de “traduzir” poeticamente linguagem do corpo e da cena a diversidade estética e de conteúdo dos poemas que estão sendo declamados. Poeta Moraes, estará como convidado especial para essa intervenção na #Flim2018.


MORMAÇO
Com Elizeu Braga

15/09 | INTERVENÇÃO ITINERANTE  NA FEIRA LIVREGRAFIA

Mormarço é recital ritual que junta o corpo, a voz, a memória, a palavra, o esquecimento, a cidade, o improviso, a paixão e a indignação do poeta e contador de histórias Elizeu Braga, beradeiro parido na vila de Tacoã, de frente pro Rio Madeira, rio que atravessa a cidade de Porto Velho capital de Rondônia, ele carrega a poesia pra respirar e escutar o mundo.




CORTEJO ICAMIABAS, ATÉ O CORDEL
Com o grupo de Estudos Percussivos formados por Mulheres

15/09 | 19h45 | CONCENTRAÇÃO NO PALCO TÁ AFLIM?

Icamiabas, cujo nome é inspirado em uma tribo de mulheres guerreiras indígenas, é um grupo de estudos percussivos formado por mulheres na cidade de São José dos Campos - SP. 

Unidas pela necessidade de compartilhar suas experiências em comum enquanto mulheres e batuqueiras, as Icamiabas iniciaram suas atividades em Junho desse ano. Tendo como intuito a propagação da cultura popular brasileira, faz parte da programação do grupo a realização de oficinas quinzenais abertas a toda e qualquer mulher que queira conhecer o Maracatu.

Na Flim 2018 o grupo trás a intervenção percussiva, antecedendo o show do grupo Cordel do Fogo Encantado, realizando um cortejo que se concentra Palco tá Aflim, em frente ao Pavilhão Central e te leva no ritmo do Maracatu até o Tom da Flim.


DOMINGO 16 DE SETEMBRO

RODA DE CONVERSA: ESCRITA INTERIOR - CAMINHOS DA LIBERDADE
Com o Coletivo Sincronistas

16/09 | 09h30 | PALCO TÁ AFLIM? 

Que tal revelar a escritora que existe em você? O Coletivo Sincronistas de escritoras e artistas do Vale do Paraíba convida você para uma conversa sobre o autoconhecimento, uma das inúmeras recompensas que a escrita nos traz. Venha refletir e trocar ideias com as integrantes desse projeto, constantes viventes da liberdade diária chamada arte - às vezes não reconhecida, mas sempre presente nos interiores de cada uma de nós.